Gravida pode pintar (colorir) os cabelos?

HÁ EFEITOS E RISCO À GRÁVIDA OU PARA O BEBÊ.

Pois alguns fatores podem permitir que o produto com determinado ativo, penetre através  da superfície da pele, também há de se levar em consideração o tempo em que o produto permanece sobre ela e a variação que o produto com seu p.H pode acarretar  desequilibrando o próprio p.H da pele ao ficar em contato  e se apele não estiver integra  as “portas” estarão abertas   e o produto (ativo)  terá quase que livre acesso  as camadas internas.

Vale ressaltar que na superfície da pele existe um “manto” chamado MANTO HIDROLIPÍDICO que além de dar elasticidade para a ela também faz com que os cabelos fiquem brilhantes e fáceis de pentear, PORÉM O CONTATO COM PRODUTOS EXTREMAMENTE ALCALINOS OU MUITO ÁCIDOS, faz com que este manto seja dissolvido  e removido e assim  a barreira deixa de existir, FACILITANDO AINDA MAIS A ENTRADA DE SUBSTÂNCIA INDESEJÁVEIS.

A Pele e as vias que o produto podem percorrer  para penetrar

1.       PELE: Orgão que recobre o corpo humano.

1.1  Uma das funções da pele: 

1.1.1 PROTEÇÃO:

A PELE FAZ BARREIRA PROTETORA CONTRA os efeitos da RADIAÇÃO SOLAR, ENTRADA DOS PROPRIOS MICRO ORGANISMOS QUE VIVEM SOBRE ELA, POEIRA, e também sobre alguns TIPOS DE PRODUTOS APLICADOS SOBRE ELA, seja no couro cabeludo ou em outras regiões corporais.

1.1.2 A PELE DIVIDI-SE EM :

  • Epiderme: camada de superfície, MAS A CHAMAMOS DE  PELE
  • Derme: È a camada Intermediária, lá encontramos VEIAS, VASOS E CAPILARES SANGUÍNEOS.
  • Hipoderme: è uma camada mais profunda e faz entre algumas funções a proteção dos órgãos.

 As substâncias podem penetrar na pele por algumas vias.

Via Epidermal

  •  Intercelular: Os ativos penetram entre as células da primeira camada da pele a epiderme, contornando-as.
  •  Trancecular ou intercelular: O produto atravessa pela camada mais externa da pele epiderme, neste caso específico (folículo pilosos), ou seja, o poro do couro cabeludo. Os ativos (substâncias contidas no produto) penetram dentro das células no organismo.

    

Via Poro

  •  Transglandular ou transepidérmica:  pode ocorrer por meio das duas rotas  (intra e inter) celular
  •  Transfolicular: penetra através do fio de cabelo (folículo pilosos), e após   distribuído nas camadas que compõem a epiderme.

Para penetrar na pele através das vias os cosméticos necessitam ter moléculas que permitam passar pela primeira camada da pele (externa) a epiderme.

Se o ativo “conseguir” penetrar nas camadas da pele o que pode acontecer?

Caso ocorra penetração do ativo, isto poderá ocasionar ABSORÇÃO SISTÉMICA DO ATIVO  QUE COMPÕE  O PRODUTO, E SER DIRECIONADO A CORRENTE SANGUÍNEA.

Onde ocorre a absorção sistêmica do produto?

A absorção sistémica acontece na camada da derme, onde são encontrados os vasos sanguíneos, veias, e capilares, onde circula e leva o sangue a todo o corpo, E NA GESTAÇÃO FAZ ALIMENTAÇÃO DO BEBÊ.

A ALIMENTAÇÃO DO BEBÊ NA GESTAÇÃO ACONTECE ATRAVÉS DA CORRENTE SANGUÍNEA

mm

Qual o p.h de uma coloração

Hoje o mercado oferece várias marcas de colorações, com ativos, tecnologias e pigmentos dos mais diversos. Estas colorações variam com p.H entre 9 e 11 sendo alcalino para a pele  que tem p.H fisiológico variando entre 5 e 5.5.

 Imagine este produto tocando a pele do couro cabeludo e permanecendo por períodos  longos que variam entre 30 e 1hora  , rapidamente o organismo reconhece como um agressor  e vai acionar  células  que fazem a função de imunidade (que procurarão fazer  a proteção  pois reconhecem como um desequilíbrio, e na sequencia enviará um sinal  através de um leve desconforto, que em poucos minutos podem passar para outros níveis como :

Coceira, avermelhamento, avermelhamento intenso (pode se propagar a outras regiões) inchaço na região, queimação intensa, inchaço na região, queimação intensa, sensação de queimor e esquentamento, sensação de que a pele esta encolhendo.

E em casos já mais graves todos estes sintomas juntos que se estende para outras regiões do corpo como braços, colo, rosto;

Em situações extremas a região interna do pescoço incha onde acontece o fechamento da glót. e a pessoa necessita ser socorrida imediatamente, pois começa a não conseguir respirar.

O que há disponível no mercado em termos de colorações?

O mercado cosmético oferece colorações de diferentes tipos e  inúmeras  finalidades, que pretendem atender a necessidades diferentes dos fios.

 Algumas destas colorações atuam de forma gradual, temporária, semipermanente e permanente.

      E a coloração  Infinity Color  -  BELLKEY PROFESSIONAL?

Segundo a orientações da Anvisa,  não há uma proibição contra a aplicação em gestantes, porém a ANVISA preconiza que somente   sob orientação médica .

Outro fator muito Importante para se pensar inúmeras vezes antes de aplicar colorações guando há o desejo de engravidar até três meses antes e  durante a  gravidez.

A pesquisa abaixo mostra que:

Ao menos por enquanto, os dados sugerem que as mulheres não devem pintar os cabelos durante a gravides

Em 20 de julho de 2011, Fernanda Bassette do Jornal o Estadão (o Estado de São Paulo) publicou o estudo realizado pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) em conjunto com o Instituto Nacional de Câncer (INCA) a seguinte pesquisa  por mais de dez anos e os resultados surpreenderam:

O foco das pesquisas era analizar substãncia contidas em 14  diferentes marcas de colorações capilares e alisadores.

Foram selecionadas 650 mães de todas as regiões do País, sendo excluídas as da região norte.

A metodologia fala sobre a aplicação de tinturas ou alisadores de cabelo durante os três primeiros meses de gravidez e que esta ocorrência  aumenta em quase duas vezes o risco de o bebê desenvolver leucemia nos primeiros dois anos de vida.

 Embora seja considerada uma doença rara, a leucemia atinge cerca de 5% das crianças nessa idade.

.

O trabalho foi realizado em 15 centros de todas as regiões do País, exceto a Norte.

 Foram analisadas:

  •  650 mães: 231 com filhos diagnosticados com leucemia antes de 2 anos de idade
  •  419 mães controle sem filhos com câncer.

Segundo o biólogo da ENSP Arnaldo Couto, autor do estudo, das 231 mulheres cujos filhos tiveram leucemia, 35 (ou 15,2%) usaram produtos químicos no cabelo no primeiro trimestre da gravidez.

 Entre as 419 mães controle, 41 (ou 9,8%) utilizaram tinturas no mesmo período.

"O estudo mostrou que a doença não se manifestou ao acaso.

 Há uma associação significativa entre a exposição a tinturas e alisantes com o  desenvolvimento de leucemia", diz o pesquisador.

Maria do Socorro Pombo-de-Oliveira, chefe do Programa de Hematologia e Oncologia Pediátrica do Inca, que coordena o estudo, confirma a importância do achado e afirma ter ficado surpresa com os resultados.

"É a primeira vez que um trabalho olha para essa direção.

 Mas, como se trata de uma doença rara, o número de casos precisa ser confirmado em análises experimentais posteriores".

O estudo. A partir do momento em que uma criança com menos de 2 anos era diagnosticada com leucemia em um dos centros parceiros, uma amostra de sangue seguia para o Inca para confirmação diagnóstica.

Além de confirmar o tipo de leucemia - mieloide aguda (LMA) ou linfoide aguda (LLA).

 Os pesquisadores realizavam a entrevista materna.

A LLA é a mais comum das leucemias infantis - cerca de 75% dos casos (mais informações nesta pág.).

Para cada mãe com filho com leucemia, os pesquisadores entrevistavam duas mães controle - com um filho da mesma idade e sem a doença maligna.

A pergunta era direcionada :

Para os três meses antes de a mulher engravidar,

 Os três trimestres da gestação e os três primeiros meses após o parto.

"A ideia era identificar fatores ambientais que poderiam ter influência no desenvolvimento das leucemias", explica o pesquisador..

 Os pesquisadores analisaram os compostos existentes em 14 marcas de tinturas e alisadores.

Foram identificados 150 componentes - 32 deles potencialmente prejudiciais à saúde do bebê.

Com os dados em mãos, Couto calculou a estimativa de risco de a criança desenvolver leucemia por a mãe ter feito uso desses produtos.

De acordo com o pesquisador, esse risco é 1,8 vez maior em mães expostas aos cosméticos do que entre aquelas que não haviam utilizado os produtos durante a gestação.

"É justamente no primeiro trimestre que o bebê está em formação.

 Nessa fase existe uma divisão celular intensa e constante. Uma das hipóteses é a de que as substâncias químicas alteram o DNA e modificam a informação genética da criança", diz Couto.

Segundo Maria do Socorro, o próximo passo é descobrir qual mecanismo levou a esses casos. Os compostos da família dos fenóis, que foram os mais associados ao aumento do risco, já estão sendo estudados pela equipe.

https://www.estadao.com.br/noticias/geral,quimica-no-cabelo-durante-gravidez-faz-crescer-risco-de-bebe-ter-leucemia-imp-,747185

Cláudia Barboza 

27/03/2019

Ainda precisa de ajuda? Contate Contate